Saiba escolher um gerente para a sua lotérica

Se o proprietário de uma casa lotérica precisa escolher um gerente para sua lotérica, deve fazer uma seleção com critério, entendendo que o mercado de trabalho exige atualmente muito mais habilidades para quem está gerenciando uma empresa.

É importante que o empresário tenha em mente que o gerente é fundamental para o sucesso da casa lotérica. Ao escolher um gerente, é necessário observar se ele apresenta as características necessárias para o exercício da função.

Aqui, vamos apresentar as principais características essenciais para te ajudar a escolher um gerente para sua casa lotérica:

1.     Automotivação

Como gerente de uma casa lotérica, o profissional deve estar sempre pronto a motivar os componentes da equipe de trabalho e, em razão disso, deve também saber se motivar. A automotivação é o motor propulsor para um bom gerente de lotérica.

2.     Proatividade

O gerente de uma lotérica deve ser proativo, nunca se deixando tomar pelo comodismo e pela apatia. O profissional deve estar sempre em busca de inovações e de oportunidades para atender às necessidades da empresa.

3.     Liderança

A liderança é fundamental para um gerente de lotérica. O ambiente de trabalho para os operadores é sempre tenso, com a preocupação de atender bem ao público e não errar durante o trabalho. O bom líder oferece o apoio necessário para que tudo saia dentro do que se espera na casa lotérica.

4.     Dar e receber feedbacks

O gerente da casa lotérica deve saber atender a todos, desde o operador de caixa, passando pelo cliente, chegando aos fornecedores e parceiros, oferecendo e recebendo feedbacks de maneira profissional, sempre buscando as melhores soluções para qualquer tipo de problema.

5.     Maturidade profissional

Um gerente de casa lotérica deve ser comprometido com os seus objetivos, com sua equipe e, principalmente, com os objetivos da empresa. Ele não está na gerência apenas para cumprir com suas atividades e representar a lotérica, mas sim para incorporar-se a ela como se fosse sua própria empresa.

6.     Gerenciamento de conflitos

Em qualquer ambiente de trabalho os conflitos podem ocorrer e, nesses momentos, o gerente é quem deve intervir e saber como mediar as situações, buscando a melhor solução para cada caso e fazendo entender que todos são uma equipe e que as relações interpessoais são o ponto essencial para o bom funcionamento de uma equipe.

7.     Controle de processos e gestão de pessoas

Um gerente eficiente é aquele que sabe negociar e delegar tarefas de forma segura, mostrando confiança e respeito pelo trabalho dos membros de sua equipe, sem, no entanto, esquecer de manter o controle e de acompanhar de perto o desenvolvimento de cada atividade.

Além disso, deve também estar pronto para acompanhar todas as atividades da empresa e fazer com que sejam cumpridas no tempo certo, sem depender de cobranças. Ele é catalisador de pessoas, de planos e de serviços, devendo manter sua competência para o sucesso da empresa.

8.     Bom planejador e estrategista

O gerente da lotérica não está trabalhando apenas para manter o dia a dia da empresa, mas sim para que ela possa se desenvolver e melhorar continuamente. Suas funções vão bem além de admitir novos empregados, de buscar solução de conflitos, de gerenciar o trabalho com foco nos ganhos e resultados.

Ao escolher um gerente para sua lotérica, é muito importante saber que as atitudes dele são fundamentais para que a empresa encontre meios de aumentar o fluxo de clientes, de melhorar o atendimento e de fazer com que a lotérica se torne referência no seu meio.

Conclusão

Como é fácil perceber, escolher um gerente para uma casa lotérica não é uma tarefa tão simples. Bons profissionais podem existir no mercado, mas é necessário encontrar o profissional certo para a função certa.

 

 

Neimar Mariano de Arruda é Administrador de Empresas, Consultor Lotérico
Especialista em Governança de Tecnologia da Informação e Fundador da DouraSoft
(67) 9.9698-3422

 

Leia mais

Por que ter um sistema de gestão no sindicato?

Um sistema de gestão para o sindicato deve ser formado por um único bando de dados que possa gerenciar todos os processos de forma integrada. Assim, qualquer informação lançada irá atualizar automaticamente todos os relatórios, reduzindo a possibilidade de erros e diminuindo o tempo de execução das tarefas.

Para o sindicato, a implantação de um sistema de gestão pode oferecer diversas vantagens, destacando, principalmente, a redução de custos, o gerenciamento dos cadastros, a geração de guias, e consequentemente, o aumento no valor da arrecadação.

Um sistema de gestão no sindicato deve ser visto como investimento que vai oferecer retorno financeiro significativo para a entidade. Contudo, para fazer a melhor escolha, é necessário ter em mãos um sistema que possibilite o atendimento das diversas áreas e não apenas escolher aleatoriamente, analisando todas as suas funcionalidades e fazendo com que possam atender as necessidades do sindicato.

Crescer com um sistema de gestão integrado

O sistema de gestão integrado para o sindicato é imprescindível no momento em que vivemos, principalmente em razão de os sindicatos precisarem, com a reforma trabalhista, reduzir os custos e oferecer a melhor qualidade de serviços para seus associados.

Dessa forma, o sindicato poderá crescer com sustentabilidade, gerenciando suas atividades automaticamente, contando com menor número de colaboradores ao mesmo tempo em que não deixa de oferecer os serviços que antes prestava.

Com a implantação de um sistema de gestão que atenda a todas as necessidades, os dirigentes sindicais terão apenas o trabalho de encaminhar os seus próprios funcionários para treinamento, possibilitando otimizar todos os processos e descomplicar as atividades de gestão interna.

A escolha do melhor sistema de gestão para o sindicato deve partir de algumas premissas, analisando se o mesmo poderá oferecer todas as funcionalidades exigidas para a administração e para a otimização dos serviços, como, por exemplo:

  • Controle total dos associados, filiados e seus dependentes;
  • Baixa automática nas mensalidades e contribuições através da matrícula do associado ou de seu CPF;
  • Gerenciamento dos processos administrativos e jurídicos que envolvem o sindicato ou seus associados;
  • Emissão de documentos e de carteiras de filiação;
  • Controle do patrimônio social, do balance financeiro e da contabilidade sindical, além de cadastramento das notas fiscais da entidade;
  • Geração de relatórios confiáveis que possam ser discutidos para aprovação em assembleias.

Como escolher o melhor sistema de gestão para o sindicato

A análise do melhor sistema de gestão para o sindicato, dessa forma, deve passar por algumas etapas básicas, como podemos ver a seguir:

 

  • Verificação das funcionalidades do sistema

 

Nessa etapa é importante a participação do contador responsável e do coordenador do setor jurídico do sindicato, para verificar se o sistema atende às necessidades da entidade, principalmente porque, em razão do atendimento de categorias diferenciadas, os sindicatos possuem particularidades.

Essa análise deve ser feita para que o sindicato tenha em seu poder um sistema com funções que sejam utilizadas para otimizar os serviços, evitando sistemas que exijam customização que poderá aumentar os custos de sua implementação.

 

  • Análise da relação custo-benefício

 

O mercado de criação de softwares oferece diversos tipos de sistemas de gestão e, portanto, é necessário avaliar se o investimento vai compensar para o sindicato.

É necessário analisar se o sistema vai atender todas as questões internas do sindicato, bem como suas necessidades particulares, possibilitando padronizar os processos e manter a integração entre as áreas.

Os responsáveis administrativos devem ainda analisar o fornecedor, sua reputação no mercado, o tempo de implementação do programa e ainda a possibilidade de integração do sistema de gestão com sistemas possivelmente utilizados pelo sindicato.

 

  • Atendimento do fornecedor

 

Um sistema de gestão pode necessitar de manutenção ou de atualização e essa questão deve ser vista como básica para sua escolha. A empresa fornecedora deve oferecer esses serviços para que todas as atividades possam ser implantadas com segurança.

O suporte para o sistema de gestão deve ser garantido pelo fornecedor em qualquer momento, evitando a paralisação das atividades sindicais.

 

  • Capacitação do pessoal

 

A empresa fornecedora deve, além disso, oferecer a capacitação para os funcionários do sindicato que se envolverão com o sistema de gestão. O treinamento deve ser realizado no próprio sindicato, colocando em ação todas as funcionalidades e fazendo com que os processos internos sejam adaptados de forma a atender as necessidades sindicais.

Leia mais

Aplicação de recursos pelo sindicato

Os recursos obtidos pelo sindicato através de qualquer tipo de receita, seja de contribuição sindical, contribuição assistencial ou mensalidades de associados é feito para pagar os compromissos, ou seja, para as despesas, ou para investimentos.

As despesas são gastos que não geram retorno para o patrimônio, servindo para as diversas atividades sindicais, enquanto que os investimentos são destinados à compra de bens patrimoniais.

Podemos classificar a destinação de recursos pelo sindicato em duas categorias principais:

  • Despesas de custeio, que é o conjunto das despesas necessárias para a manutenção das atividades sindicais, com exceção da compra de bens patrimoniais;
  • Despesas de investimento, que é o conjunto de recursos usados para compra de bens imobilizados necessários para as atividades sindicais.

No caso de sindicatos, é importante também lembrar que a legislação estabelece determinados limites para aplicação.

Quando a legislação estabelece, de forma genérica, os termos “despesas” ou “gastos”, está admitindo, de maneira indistinta, a aplicação de custeio ou de investimento. No entanto, quando houver referência a “custeio de atividades”, existe um impedimento para a utilização dos recursos para investimentos.

Dessa forma, estabelece-se limites para a compra de bens imobilizados ou para custeio de atividades.

Os recursos sindicais e sua utilização

Embora seja comum na contabilidade categorizar a despesa com base na natureza do bem ou do serviço adquirido, quando a lei estabelece limitações, através de qualificações, o uso dos recursos para determinadas despesas é qualificado segundo seu objetivo ou finalidade, e não quanto à sua natureza, exigindo que a contabilidade faça o lançamento direcionado nesse sentido.

Assim, por exemplo, quando a lei estabelece despesas com assistência jurídica, o que está sugerindo é que todas as despesas necessárias para essa finalidade, como o custo com espaço ocupado, honorários de advogados, salários de pessoal de apoio, material de expediente, gastos com transporte ou qualquer outra despesa destinada ao suporte da assistência jurídica, devem ser lançados sob essa categoria.

Na contabilidade, portanto, está se falando num centro de custos, servindo a natureza da despesa para referenciar o que foi utilizado.

Assim, o sindicato deve adotar um plano de contas que atenda a classificação da despesa pela sua natureza, reunindo em grandes grupos de contas através de sua finalidade.

Da mesma forma, todas as despesas referentes a pessoal devem ser lançadas num mesmo grupo de contas, de acordo com sua natureza, separando-se, por exemplo, ajudas de custo, verbas de representação, auxílios e diárias.

A finalidade da despesa deve caracterizar o objetivo para o qual o serviço foi contratado ou um bem adquirido, ou seja, é preciso contabilizar de acordo com sua utilização, independentemente da natureza do bem ou do serviço.

Como separar a aplicação de recursos

A separação de aplicação dos recursos do sindicato deve ser feita em dois grupos distintos, da forma como segue:

  • Aplicações efetuadas com recursos institucionais, que reúnem todas as despesas previstas no Estatuto Social do Sindicato;
  • Aplicações feitas com os recursos provenientes da contribuição sindical, reunindo todas as aplicações prevista em legislação, lembrando que existem limites quanto à finalidade e quanto ao total aplicável, seguindo as regras previstas no Estatuto do sindicato.

O uso dos recursos da contribuição sindical está claramente definido na CLT. A contribuição sindical, além das despesas vinculadas à sua própria arrecadação, recolhimento e controle, deve ser aplicada pelo sindicato para os seguintes objetivos:

  • Assistência jurídica;
  • Assistência médica, dentária, farmacêutica e hospitalar;
  • Realização de estudos econômicos e financeiros;
  • Agências de colocação;
  • Cooperativas;
  • Bibliotecas;
  • Creches;
  • Congressos e conferências;
  • Auxílio funeral;
  • Colônia de férias e centros de recreação;
  • Prevenção de acidentes do trabalho;
  • Finalidades desportivas e sociais;
  • Educação e formação profissional;
  • Bolsas de estudos.

Dessa forma, para utilizar os recursos do sindicato, o responsável financeiro deve conhecer não apenas a legislação pertinente, mas também o estatuto da entidade para conseguir aprovação das contas.

Leia mais

6 dicas de comissões e premiações por vendas de bolões

Na sua lotérica existe comissão para os funcionários por vendas de bolões? Se a resposta for não, você pode estar correndo um sério perigo de ter funcionários desmotivados em concluir vendas.

A grande vantagem em dar comissões aos funcionários está no fato de você garantir funcionários mais motivados sempre. A renda fixa pode fazer com que os funcionários entrem no comodismo, afinal, fazendo ou não as vendas bolões eles terão o mesmo valor de salário sempre. Mas, e se tiverem a possibilidade de ganhar mais do que o salário? E se puderem ganhar uma comissão por vendas? Isso fará toda a diferença, discutiremos sobre isso neste artigo.

Tipos de comissão que você pode pensar em aplicar

Para calcular a comissão do seu funcionário, você pode usar mais de uma opção, para diferentes casos. Por exemplo, você pode dividir a comissão por produtos que mais saem na região, por bolões ou por outros produtos da lotérica. Um modelo de comissão é você dar ao funcionário 2% do valor da venda do produto e 3% se o cliente levar mais de um produto.

Segue algumas dicas sobre premiação e até mesmo comissão para os funcionários:

  1. Funcionário do mês

Você pode intitular como funcionário do mês aquele que efetuar mais vendas e para premiá-lo você pode dar uma comissão sobre todas as vendas que ele concluiu, ou do valor total das vendas. Essa é uma forma de incentivar os funcionários a estarem sempre progredindo e se empenhando para vender mais.

  1. Comissão por vendas de bolões

Como já dissemos, você pode dar comissões por vendas de bolões. Muitos clientes acabam não querendo comprar um bolão por estarem desacreditados, acham que não vale a pena e que não podem ganhar. Estimule seus funcionários a vencerem objeções, faça treinamentos para que eles saibam lidar com a reação dos clientes, assim você conseguirá fazê-los vender muito mais.

  1. Avalie o desempenho de cada funcionário

Para estimular os funcionários a entrarem na onda e venderem mais e ganhar mais comissões, é preciso mostrar a eles como está sendo o desempenho de cada um. Faça gráficos e mostre de forma ilustrativa como tem sido o desempenho de todos, mostre também individualmente como está sendo o desempenho do seu funcionário. Dessa forma, ele verá que precisa se empenhar mais se quer ter melhores resultados, e com isso você terá muito mais vendas sendo feitas. 

  1. Não se perca nos cálculos!

Uma dica muito importante quando se trata de comissões e premiações, é em relação a sua organização. Esteja sempre com os registros de premiações atualizados, dessa forma você não corre o risco de esquecer nenhuma bonificação por uma venda concretizada. Faça um registro de todos os membros da sua equipe e vá colocando o valor em dinheiro referente a comissão de cada um, assim quando chegar a hora de remunerá-los você não terá problemas para calcular o valor de cada um.

  1. Anuncie comissões especiais para aquele dia

Você percebeu que um produto está com pouca saída, e se trata de um produto que costuma ser muito vendido? Então, estimule seus funcionários a vender mais, pois se ele tinha muita saída antes, significa que é um produto bem aceito pelos clientes. Então, anuncie durante o dia que quem vender x números daquele produto no dia, conseguirá um valor x de comissão. Isso com certeza irá colocar um gás em cada funcionário e fazê-los ter vontade de concluir vendas.

  1. Estimule a competição saudável

É bom que sua equipe seja competitiva, isso não quer dizer que precisam viver em discórdia. Pelo contrário, a equipe de uma lotérica precisa sempre trabalhar em harmonia, um ajudando o outro para conseguir vender os produtos da lotérica, suprir a população com os serviços bancários e ainda cumprir as obrigações da Caixa, como abrir contas bancárias. Então, mantenha sua equipe em um ritmo competitivo, mas constate que isso esteja sendo feito de forma saudável para garantir melhores vendas de bolões.

 

 

 

Neimar Mariano de Arruda é Administrador de Empresas, Consultor Lotérico
Especialista em Governança de Tecnologia da Informação e Fundador da DouraSoft
(67) 9.9698-3422

 

Leia mais

Movimento sindical e a consciência do trabalhador

Agora, que a reforma trabalhista já é uma realidade, movimento sindical deve manter o trabalho de aumentar a consciência do trabalhador, associados ou não, tornando-os mais próximos aos dirigentes.

A reforma trabalhista é algo totalmente novo no cenário nacional e a maior parte dos juristas ainda discute a validade de algumas medidas tomadas. Para que as conquistas obtidas sejam preservadas, é necessário que as negociações coletivas façam parte do calendário dos sindicatos, já que as futuras negociações devem ser um grande teste para o movimento sindical.

Dessa forma, uma das principais atividades para os sindicatos é o trabalho de base com todos os trabalhadores, tendo como principal objetivo demonstrar que apenas através da organização é possível manter os direitos adquiridos, buscando melhorias nos salários e benefícios.

Movimento sindical e o novo sistema

A reforma trabalhista foi criada com a proposta de manter um novo sistema nas relações do trabalho, gerando alterações em toda a estrutura não apenas do movimento sindical como também na própria estrutura da Justiça do Trabalho e no sistema de administração e fiscalização.

Todas as mudanças vêm sendo estudadas pelos dirigentes sindicais, pelos advogados dos sindicatos e pelos juristas, buscando avaliar as melhores condições de trabalhar com as empresas, já que são os trabalhadores os principais responsáveis pelo sucesso de cada empresa.

Alguns dirigentes podem argumentar que a reforma trabalhista possa deteriorar as relações entre o movimento sindical, os trabalhadores e as empresas, mas as mudanças acontecem em qualquer atividade.

Assim, por exemplo, mesmo que a negociação salarial possa ser feita diretamente entre a empresa e os trabalhadores, a participação dos sindicatos ainda é uma necessidade, principalmente para que os empregados não aceitem regras impostas.

Sempre se trata de negociação e, nesse caso, não adianta pensar que a empresa vai impor regras, cabendo ao trabalhador apenas acatar ou ser demitido. As relações trabalhistas, a partir da reforma, devem ser pautadas não mais pela queda de braço entre o capital e o trabalho, mas como uma nova maneira de negociar.

Movimento sindical e orientação aos trabalhadores

Ao movimento sindical, portanto, cabe o trabalho de educar os trabalhadores, com informações substanciosas sobre a legislação e sobre os direitos conquistados, o que vai servir para que, no futuro, a relação entre empregados e patrões seja mais dinâmica e mais assertiva, lembrando que todos buscam o mesmo objetivo.

Os sindicatos não devem ser vistos mais como organizações de representação do trabalhador, criados apenas para compensar o poder empresarial na relação contratual, mas sim como agentes sociais que organizam a categoria que representam, buscando conciliar as partes e encontrar os melhores meios para que tanto a empresa quanto os trabalhadores se sintam recompensados pelas suas atividades.

O movimento sindical, portanto, deve ser encarado como um uma fonte de apoio para a categoria, tornando as relações trabalhistas mais justas e com direitos iguais para todos, pensando sempre no principal objetivo empresarial.

Movimento sindical e melhoria de vida

O movimento sindical não deve ser visto como algo que trabalha apenas pelos interesses da categoria, mas também como um elemento vinculado à melhoria de vida dos trabalhadores, buscando fazer com que todos possam trabalhar em direção a um mesmo objetivo, gerando melhores condições também para suas famílias.

A conscientização dos trabalhadores e a defesa dos seus interesses, portanto, é uma parte intrínseca do movimento sindical, oferecendo a todos os associados as condições necessárias para que possam buscar essas melhorias.

A manutenção dos sindicatos vai depender muito mais da conscientização dos trabalhadores para que participem mais do movimento sindical, ampliando a credibilidade e a representatividade dos sindicatos, situação que vai fortalecer não apenas a categoria representada, mas também as empresas onde eles prestam serviços.

Leia mais

Sua lotérica trabalha com metas?

Se a sua casa lotérica ainda não trabalha com metas, está na hora de rever essa posição. É necessário manter os cuidados necessários com a gestão, ter atenção aos indicadores de desempenho e, sobre eles, traçar metas para conseguir maior lucratividade.

Para estabelecer metas é necessário ter o conhecimento do rendimento da casa lotérica e, através dos indicadores de desempenho e relatórios, fazer o planejamento para o que o lotérico pretende para o futuro de sua empresa.

Assim, é preciso desenvolver um plano de negócios, considerando todos os valores auferidos nos últimos meses e, através deles, verificar a possibilidade de atingir as metas que está estabelecendo.

O lotérico deve entender, antes de tudo, que uma meta deve ser traçada dentro das possibilidades do negócio para que possa ser atingida.

Os relatórios de desempenho de todos os meses de um ano devem ser considerados e, diante dos resultados apresentados em cada mês, o lotérico terá possibilidade de saber onde sua empresa irá chegar nos próximos meses e, dentro dos números analisados, poderá estabelecer estratégias para aumentar o seu faturamento.

Analisando os números para chegar às metas

Caso o lotérico ainda não trabalhe com metas, a implantação desse novo método pode ser feita através dos números alcançados nos últimos meses. A comparação dos números de um mês com os anteriores vai mostrar como está sendo a evolução do faturamento e da lucratividade.

O importante, nesse caso, é ter um software específico para lotéricas para ter maior capacidade de análise, sem perder tempo com planilhas e números e com os necessários ajustes de quem trabalha de forma manual.

Com a avaliação dos números oferecidos pelo sistema, é possível criar gráficos que mostram de forma mais fácil como está sendo o desempenho e o que o lotérico pretende para o futuro.

Numa casa lotérica é possível utilizar indicadores de desempenho aplicados em qualquer empresa, como, por exemplo:

1.      Análise do faturamento

O faturamento é o indicador mais importante para ser aplicado na casa lotérica, dando o conhecimento sobre o fluxo do caixa e da lucratividade da empresa durante determinado período.

A cada mês, juntamente com o faturamento, o lotérico deve analisar a lucratividade e sua relação com o faturamento. Com essa análise é possível saber se existe algum risco ou não para o futuro da casa lotérica.

2.      Ticket médio

Um dos indicadores de desempenho que mostram a dinâmica das vendas numa casa lotérica é o ticket médio. Com esse indicador é possível saber se há ou não necessidade de investir no treinamento dos operadores de caixa.

Na casa lotérica, em virtude do grande fluxo de clientes, o ticket médio deve ser feito por operadores de caixa, e não por clientes, e isso irá facilitar ao lotérico estabelecer os meios para melhorar o faturamento em cada caixa.

3.      Análise de contas a pagar

Contas a pagar é mais um dos indicadores de desempenho importantes para traçar metas. O nível de endividamento mostra se a casa lotérica está tendo ou não um desenvolvimento adequado para dar continuidade aos negócios.

O cálculo deve ser feito com a divisão das contas a pagar pelo ativo circulante. Quanto menor for o índice alcançado, maior possibilidade de criar metas mais ambiciosas.

Pelos dados conseguidos, o lotérico poderá saber se as metas podem ser estabelecidas e quais os padrões em que podem ser mantidas. Depois de criadas as metas, é necessário fazer o acompanhamento mensal – ou, se preferir, semanal e quinzenal – para verificar se tudo está sendo cumprido.

O sistema AGIL, desenvolvido pela DouraSoft, é um software que possibilita ao lotérico uma análise completa de sua empresa, oferecendo relatórios que lhe darão a visão completa da lotérica, gerando condições para estabelecer as metas para o seu empreendimento.

Fiz um vídeo (E junto tem um formulário) sobre COMO DEFINIR METAS na sua LOTÉRICA!

 

 

 

Neimar Mariano de Arruda é Administrador de Empresas, Consultor Lotérico
Especialista em Governança de Tecnologia da Informação e Fundador da DouraSoft
(67) 9.9698-3422

 

Leia mais

Como trabalhar com brindes para clientes

O marketing de uma casa lotérica deve ser feito da mesma forma como qualquer outra empresa, utilizando estratégias que possam agradar os clientes e fazer com que eles sempre se lembrem do estabelecimento. Oferecer brindes é uma boa opção.

O brinde é uma ferramenta relevante de marketing, e seu principal objetivo é conquistar a simpatia dos clientes. E quando a lotérica oferece um brinde que traga alguma utilidade, ele vai fazer um efeito muito maior.

O importante, para o lotérico, é criar uma ligação direta entre o cliente e a marca de sua casa lotérica, tomando principalmente o cuidado para que esse brinde oferecido seja de uso da própria pessoa ou de sua residência. Desta forma, sua ligação será muito maior: cada vez que o cliente fizer uso do brinde, vai se lembrar da lotérica.

O poder do brinde para a lotérica

O poder do brinde está exatamente em sua facilidade de encantar e de conquistar a simpatia dos clientes. Sua utilização faz com que o cliente imediatamente se lembre de quem lhe deu o brinde, fixando a marca de uma forma positiva em sua mente.

O ponto fundamental no fato de oferecer um brinde é exatamente este: lembrar e fixar a marca da lotérica. Isso cria toda uma diferença para a casa lotérica, já que vai criar laços afetivos com o cliente e estimular sua percepção de que aquele brinde foi feito especialmente para ele.

No entanto, pensando em custos, muitas vezes o lotérico deixa de oferecer brindes, considerando erradamente que não vai trazer qualquer benefício dar alguma coisa que vai lhe custar uma parte do seu lucro.

O importante é pensar exatamente pelo outro lado: o brinde não é um custo, mas sim um investimento. Pensando num exemplo prático, o cliente pode morar próximo a uma lotérica e, em determinado momento, estar no centro da cidade. Ao passar por uma lotérica, pode pensar que aquele é o dia de fazer sua aposta.

Se tiver um porta cartões da lotérica, ao retirar o cartão da carteira, vai se lembrar que tem a lotérica próximo de sua casa e vai dar preferência a ela.

Fazer brindes para entregar na casa lotérica, portanto, é um investimento que atrai clientes, que faz com que o estabelecimento seja lembrado.

Um bom exemplo disso são as empresas de distribuição de gás, que oferecem calendários com imã, para colocar na geladeira. Cada vez que a dona de casa vai abrir a geladeira, fatalmente vai ver o calendário e, quando precisar de gás, é a primeira empresa a quem vai recorrer.

O lotérico deve encontrar meios para estar presente na lembrança das pessoas e, para isso, nada melhor do que esse tipo de brinde que, além de ser bastante útil, também faz com que sua lotérica esteja presente e seja a preferida dos clientes.

Para que os brindes oferecidos pela lotérica sejam eficientes, é preciso que eles sejam de utilidade, como, por exemplo:

  • Um porta volantes para que o cliente tenha sempre seus volantes em mãos;
  • Um porta cartão de crédito, para lembrar da casa lotérica sempre que for usá-lo;
  • Um chaveiro com a marca da lotérica;
  • Um calendário com imã para colocar na porta da geladeira, etc.

Além disso, para os clientes que se utilizam dos serviços da lotérica, um malote personalizado, com a marca da lotérica, é uma excelente ideia para brinde.

As ideias apresentadas são apenas algumas. Para que o sucesso da divulgação através de brindes seja ainda melhor, é preciso que o lotérico fique atento às novidades e às necessidades e exigências dos seus clientes. Só é importante destacar que os brindes devem ser úteis para que a empresa seja lembrada.

 

 

Neimar Mariano de Arruda é Administrador de Empresas, Consultor Lotérico
Especialista em Governança de Tecnologia da Informação e Fundador da DouraSoft
(67) 9.9698-3422

Leia mais

Normas legais da contabilidade sindical

A contabilidade sindical deve seguir as regras do denominado “terceiro setor”, que são organizações não governamentais, ou ONGs, não possuindo finalidade de lucro, mas sim congregando objetivos sociais, filantrópicos, recreativos, artísticos, religiosos ou culturais.

Para melhor entender o “terceiro setor”, considera-se que o primeiro setor seja o governo, responsável por todas as questões sociais e econômicas do país, estado ou município, enquanto que o segundo setor é o privado, tendo como objetivo principal o lucro.

No terceiro setor estão agrupadas as organizações sem fins lucrativos e que, ao mesmo tempo, não são governamentais, tendo como objetivo gerar serviços públicos. Contudo, a denominação de ONG não pode ser aplicada aos sindicatos, mesmo sendo organizações sem fins lucrativos, como também é o caso dos clubes, escolas filantrópicas e cooperativas, por exemplo.

Normas de contabilidade sindical: enquadrada no terceiro setor

Devemos entender, portanto, que as entidades sem fins lucrativos são aquelas em que o resultado do exercício não é destinado à distribuição do lucro entre sócios e acionistas, devendo ser considerados como superávit, quando positivo, ou déficit, quando negativo.

Como qualquer outra entidade considerada do terceiro setor, a contabilidade sindical deve seguir as normas contábeis brasileiras. Para entidades sindicais e associações de classe, a norma específica é a NBC-T-10.18.

Como acontece com outras normas, a NBC-T-10.18 reconhece que os sindicatos são diferentes das demais entidades, recomendando-se a adoção de terminologias específicas para as contas de Lucros ou Prejuízos, para o Capital e para a denominação da Demonstração do Resultado, tendo como objetivo adequar a terminologia ao contexto dos próprios sindicados e associações de classe.

Principais características da contabilidade sindical

A contabilidade sindical tem sua estrutura definida pela Lei das Sociedades por Ações, constante da Lei n° 6.404/1976. No entanto, para haver melhor adequação, algumas adaptações foram feitas, referindo-se, principalmente à nomenclatura de algumas contas que são utilizadas.

Assim, por exemplo, é utilizada a conta Patrimônio Social, em vez de Patrimônio Líquido, tendo o mesmo conceito considerado para as empresas do setor privado, mesmo mantendo a mesma equação patrimonial clássica, ou seja, Ativo menos Passivo é igual ao Patrimônio Social.

Além disso, a contabilidade sindical registra os recursos recebidos para atender projetos ou atividades de forma separada, considerando que sejam fundos, utilizando-se das restrições impostas pela legislação ou mesmo através de restrições dos órgãos diretivos do sindicato.

Analisando na prática, um sindicato pode ter vários fundos, destinados a fins específicos, como bolsas de estudos, construção de sede social, etc.

Características

Os sindicatos também devem seguir outras características específicas da contabilidade estabelecida para o terceiro setor, como, por exemplo:

  • A contabilidade sindical deve se utilizar dos princípios fundamentais da contabilidade, assim como das Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações Técnicas e Comunicados Técnicos, editados pelo Conselho Federal de Contabilidade;
  • Como em outras entidades sem finalidade de lucro, quando há resultado positivo ele não é destinado à distribuição de lucro entre associados, devendo ser incorporado ao patrimônio social e divulgada a sua aplicação;
  • O valor do resultado do exercício, ou seja, o superávit ou déficit, deve ser registrado em suas contas respetivas na demonstração de resultado enquanto não for aprovado em assembleia e, depois de sua aprovação, deve ser transferido para a conta denominada Patrimônio Social;
  • As receitas de contribuições dos associados que são discriminadas no estatuto sindical, bem como aquelas derivadas de contribuições externas, além de outras receitas extras, assim como as despesas, devem ser registradas obedecendo os Princípios Fundamentais de Contabilidade, considerando para todas elas o tempo decorrido e a periodicidade mensal.

A melhor forma de aplicar a contabilidade sindical é utilizando um software específico, com plano de contas próprio para o sindicato, possibilitando analisar toda a destinação de receitas e aplicação nas despesas ou custos sindicais.

Leia mais

Lotérico, você é mais líder ou gestor?

Na administração empresarial, muitas vezes se confunde líder com gestor. Para muitos, os dois significam a mesma coisa.

Na condução de uma casa lotérica, o empresário deve pensar no que significa exatamente cada um dos termos. Enquanto a liderança é a habilidade de fazer com que a equipe alcance os objetivos, a gestão é a aplicação da autoridade para conseguir o cumprimento das obrigações, ou seja, é necessário o conjunto dos processos para que a casa lotérica mantenha seu funcionamento.

A gestão é uma ciência que pode ser aprendida, enquanto que a liderança é uma arte. Assim, a gestão é uma função do lotérico, enquanto que sua liderança é feita através do relacionamento, é fazer com que as pessoas entendam e acreditem em sua visão e que trabalhem para conseguir alcançar os objetivos.

Ser líder e gestor ao mesmo tempo, esta é a função do lotérico

O lotérico deve entender que liderar um equipe é fazer com que ela seja ativa, com que tomem atitudes participativas, motivadas, de forma voluntária, para que os objetivos da casa lotérica sejam alcançados.

Existe uma teoria de que uma pessoa gera liderança sobre as outras quando ela consegue satisfazer seus desejos, sejam eles conscientes ou inconsciente. Na história, temos inúmeros exemplos de líderes que mobilizaram as pessoas e as cativaram para suas ideias.

No entanto, o lotérico deve pensar no dia a adia, deve mostrar sua liderança para que a casa lotérica tenha bons resultados e que atinjam as metas estabelecidas.

No ambiente de trabalho, para entender o que é liderança, basta prestar atenção numa pessoa que sempre é bem vinda e que sempre é convidada para determinadas atividades. São pessoas que não são questionadas porque apresentam boas ideias.

São pessoas que transmitem confiança naquilo que determinam, gerando sua liderança, fazendo com que as pessoas trabalhem satisfeitas, com determinação, usando de toda a capacidade produtiva.

O que o lotérico não pode confundir é liderança com comando. Um gestor até pode exercer o papel de líder, mas pode não transmitir a confiança necessária e simplesmente ser obedecido por ser o chefe. Nesse caso, na maior parte das vezes, ele pode ser boicotado e os seus subordinados não vão se esforçar para atingir os objetivos.

Em empresas de grande porte, não é sempre que um gestor exerça ele próprio a liderança. Pode ser um trabalhador qualquer, que se destaque entre a equipe e que faça os outros se motivarem.

No caso de uma lotérica, com um grupo menor, o lotérico deve motivar-se para ser o líder ao mesmo tempo em que também é gestor.

Além dos requisitos de liderança, o lotérico também deve exercer suas funções gerenciais, de planejamento e de acompanhamento das atividades de sua equipe, gerando, ao mesmo tempo, motivação, participando das atividades e incentivando os membros da equipe a alcançar resultados.

O que se espera, numa casa lotérica, é que o gestor da equipe também seja o líder e não apenas o administrador da rotina. Ele precisa influenciar os membros da sua equipe para a ação, para o bom atendimento, para a satisfação dos clientes que frequentam a casa lotérica.

Para o lotérico, a capacidade de misturar ambas as coisas é essencial para o sucesso de sua empresa. E esta é uma habilidade única, já que podemos ter milhares de gestores no mundo, mas poucos aqueles que assimilam também a condição de líder.

Tanto a gestão quanto a liderança são necessárias para conduzir as atividades de uma lotérica. Embora o lotérico seja o principal personagem no gerenciamento e na condução dos negócios, com as preocupações inerentes ao seu cargo, ele também precisa ser líder e motivador, mesmo que a situação não seja a melhor.

 

 

Neimar Mariano de Arruda é Administrador de Empresas, Consultor Lotérico
Especialista em Governança de Tecnologia da Informação e Fundador da DouraSoft
(67) 9.9698-3422

 

Leia mais

Como evitar clonagem do WhatsApp

WhatsApp clonado, o que fazer?

Como evitar que o seu WhatsApp seja clonado da sua casa Lotérica? Pode parecer bobeira,
mas isso tem se tornado cada vez mais comum. De forma simples o seu WhatsApp é clonado
quando o seu número é clonado.

Existem no Brasil milhares de casos assim, quando a clonagem acontece provavelmente você já perdeu, por quê?

Porque quando a pessoa clona o seu WhatsApp ela utiliza do próprio recurso do WhatsApp para autenticar o golpe, que é a verificação em duas etapas.

O grande perigo é que essa pessoa terá acesso aos seus contatos e em alguns casos até conversas. Então fica muito mais fácil ela conseguir aplicar golpe, geralmente eles costumam pedir dinheiro ou até mesmo dados de conhecidos

Uma forma de você evitar isso é fazer a verificação em duas etapas no seu WhatsApp, não sabe o que é isso? Fique tranquilo, porque no vídeo acima fizemos o passo a passo para ajudar você e as pessoas que você ama.

Para quem serve?

Recomendamos fazer isso no seu celular pessoal, da empresa, inclusive aqui na empresa já fizemos a verificação em todos os celulares para termos uma segurança maior.

Mas faça isso nos celular dos seus parentes, amigos e conhecidos. Dessa forma você evita que alguém caia em um golpe ou pior, que alguém caia em um golpe através do seu número.

A verificação em duas etapas é rápido, fácil e eficaz. Ela irá trazer uma segurança enorme para o seu contato e todos que interajam com você.

 

Abraços, Sucessos e Produtividade.

 

Neimar Mariano de Arruda
Consultor Lotérico e Fundador da DouraSoft
cliente@dourasoft.com.br
(67) 9.9698-3422

 

 

 

Quer melhorar a gestão da sua lotérica?
Conheça o único sistema de Gestão Blindado para Lotéricas. O AGIL

Leia mais